NOTICÍAS
Fique por dentro das principais notícias da Terra Viva e acompanhe tudo que acontece na área da alimentação, saúde e tendências de mercado.
Juiz de Direito do Maranhão ministra palestra na Cooperoeste
Segunda-feira, 12 de Marco de 2018

O juiz de Direito do Maranhão, Jorge Moreno, palestrou para direção e funcionários da Cooperoeste. Nessa entrevista, o magistrado comenta sobre o que classifica de ‘jogo de interesses’ entre o Congresso, STF, STJ e o Poder Judiciário. Também comenta que, na sua opinião, nesta eleição, a ‘guerra civil virtual’, não se limitará a manifestações em redes sociais como ocorreu em 2014. Ele acredita piamente que haverá violência física, pois, pelos seus cálculos, serão 25 milhões de desempregados quando ocorrer a eleição

 

-Qual o objetivo da palestra?

Juiz Jorge Moreno: Foi debater sobre as diferentes formas que o Poder Judiciário se manifesta no Brasil. Além disso, expor o conjunto de interesses que está por de trás desta estrutura. Também relatar sobre o caso do vereador Marcelino Chiarello, PT, de Chapecó, que foi encontrado morto, em sua residência, no dia 28 de novembro de 2011, num caso que até hoje não foi esclarecido. Ele se destacava por suas denúncias fundamentadas em relação a administração anterior daquele município.

 

-O que o doutor quer dizer sobre “conjunto de interesses”?

Juiz Jorge Moreno: A estrutura do Brasil faz com que para que o Judiciário possa ser composto, muito embora a base deste Poder seja através de concurso público, mas a ‘cúpula’ do Judiciário é um conjunto de interesses que levam aqueles ministros – tanto do STF quanto do STJ – ocuparem aqueles cargos que são indicados pelo Presidente da República, quem aprova é o Senado e quem nomeia é o Presidente da República. Isso não passa se não tiver um ‘acordo político’. Um exemplo é o Romero Jucá. Ele era membro da sessão que aprovou o nome de alguém para ser nomeado para o Supremo. Poucos dias depois o processo dele foi prescrito. Isso a população tem que saber para que ela não caía nesta ideia generalizada que não existe justiça no Brasil. Na verdade é uma ‘estrutura viciada’, arcaica, conservadora, antirrepublicana como acontece, por exemplo, na quantidade imensa de auxílios aos juízes. Isso tudo passa por esses acordos para que se consiga vigorar.    

 

-Na sua avaliação a população é muito carente por esses assuntos?

Juiz Jorge Moreno: Sim, é muito carente. Exemplo disso é que, praticamente, na Constituinte o Judiciário foi um dos únicos capítulos que sequer foi ‘tocado’. Nós temos uma estrutura que permaneceu da Monarquia até a Constituição de 1988. Foram pouquíssimas mudanças e, ao mesmo tempo, se tem uma cultura de obediência à autoridade que faz com que as pessoas não discutam. É muito mais fácil criticar vereadores e prefeitos do que um juiz. Até por que a maioria dos juízes utiliza, indevidamente, desse recurso de desacato à autoridade para processar as pessoas como já aconteceu em vários lugares do país.

 

-Muitos afirmam que é no Poder Judiciário que se concentra o maior poder corporativismo. O senhor concorda?

Juiz Jorge Moreno: É claro, pois é um Poder que não tem fiscalização nem controle. A mínima fiscalização que conseguimos alocar na Constituição foi a de 2004 com o Conselho Nacional de Justiça e o Conselho Nacional do Ministério Público. Foi o último poder da República que teve uma minúscula fiscalização e agora, nos últimos cinco anos, esse Conselho que pensávamos que daria um ‘certo jeito’ nessa quantidade de mazelas de juízes arbitrários, que não cumprem leis, que não moram na Comarca, que não trabalham de segunda a sexta, entre outras arbitrariedades   que existem no Judiciário, este Poder ao invés de fiscalizar agora está começando a reforçar esse sistema, tamanha é a força corporativista do Judiciário. A ideia era fazer um controlo, mas que ninguém da corporação fizesse parte dele. Mas não foi o que aconteceu. A consequência é que Judiciário e Ministério Público se fecham dentro de si e criam esse clima de que ninguém pode ser punido e é muito difícil fazer isso numa República, pois numa República as autoridades têm que estar sujeitas a uma punição mesmo – por descumprir leis e não obedecerem a Constituição.

 

-Atualmente o Brasil vive uma das maiores crises política/econômica da história. O pivô de tudo isso foi justamente um juiz. Qual sua avaliação sobre essa questão?

Juiz Jorge Moreno:  Na verdade, é o seguinte: vivenciamos uma divisão social muito profunda e grave no país. Isso é um resquício muito forte da escravidão e da desigualdade social. Essas desigualdades regionais são muito profundas em nosso país. Então quando você tem o mínimo de ganhos numa sociedade, quando você tem um mínimo de ascensão de qualquer setor dos desfavorecidos ou excluídos ou quando se tem a mínima garantia de direitos, as soluções que se encontram no Brasil são de força e de intervenção no nosso sistema constitucional e democrático. Isso ocorreu ao longo da República, mas de forma mais precisa em 1964. Se tivessem feitas as reformas propostas naquele ano, certamente teríamos outro país. Eram, entre outras, reformas urbana e universitária. Também estava a reforma agrária – que todo país capitalista sempre fez, pois a reforma agrária não é uma demanda de uma país socialista. A reforma agrária é uma demanda de um país capitalista. Todos, incluindo os Estados Unidos, fez. Infelizmente, porém, aqui no Brasil criou-se uma ideia muito forte que culminou com o rompimento com a institucionalidade. Importante salientar que quem rompeu com a institucionalidade ficou desgastado que, no caso, foram os militares. Então eles tiveram que encontrar dentro da estrutura do Estado brasileiro outro Poder que assumisse isso e que assumiu foi o Judiciário. E, obviamente, dentro da estrutura do Judiciário você tem que procurar quem assume esse ônus e quem assumiu foi essa turma de Curitiba que é uma quantidade significativa de arbitrariedades, ilegalidades, mas o que está em jogo é para onde o Brasil vai caminhar. E o resultado é que estamos numa encruzilhada terrível por que há uma situação social agravante, pois há uma quantidade imensa de pessoas desempregadas. Estão desestruturando o país, vendendo as empresas, desfazendo uma quantidade enorme de direitos sociais. O Temer não interviu somente no mandato dele, ele interviu para 20 anos que afetará, principalmente, as questões sociais que deriva outras graves consequências como, por exemplo, a violência, já que a tendência é aumentar. Haverá uma imensidão de desempregados e, com isso, certamente, o Judiciário sairá desgastado deste processo, como ocorreu com os militares. A sociedade brasileira vai se deparar com isso e terá que discutir seriamente que tipo de Judiciário que se quer, pois o Judiciário que aí está não garante o direito do cidadão.

 

-O que o senhor espera das pessoas que participam de suas palestras?

Juiz Jorge Moreno: A primeira coisa que a gente tem que acreditar é que hoje a informação tem que ser democratizada. Essa é a grande esperança. É a ideia que estamos propondo. Não é uma ideia fechada, a verdade absoluta, mas oportunizar discussões e questionamentos. O segundo ponto é que vamos ter momentos específicos em nosso país, momentos eleitorais, momentos de formular políticas públicas, momentos de participações mais intensas. Acredito que o povo terá uma participação mais intensa, mesmo que não tenha um conhecimento de forma mais aprofundada, no entanto a população tem consciência da gravidade. A população sabe que todos os dias há pessoas presas na comunidade dele e que por onde passa tem direitos que são violados. E que o Judiciário, o Ministério Público e a Polícia não dão importância quando se trata de uma pessoa pobre. Ou seja: não é somente uma questão econômica é uma indignidade, pois as pessoas tratam os pobres com muita violência no Brasil. Não é só a situação de não ter recursos é a violência que ele recebe na fila do hospital, na delegacia e no distrato que ele tem com essas autoridades, principalmente com o Poder Judiciário. Por isso eu acredito que as pessoas terão motivações. A minha função é justamente essa: motivar as pessoas para participarem no momento que elas forem chamadas.

 

 

 

 

-Neste Carnaval, no Rio de Janeiro, houve a intervenção do Exército. Como o doutor analisa essa questão?

Juiz Jorge Moreno: A intervenção do Exército se dá num momento de desgaste de uma concepção de segurança pública que está comprovado, com exemplo em outros países, que não dá resultado. Não se resolve o problema das drogas desse jeito. Não se resolve os problemas sociais com violência – isso está mais do que claro. A intervenção do Exército cumpre um papel específico. O Exército está intervindo por conta da grande briga que está existindo entre uma corporação que é a Polícia Militar com os traficantes. Isso foi revelado pelo ministro da Justiça. Não sou eu que estou dizendo. O ministro da Justiça deixou isso bem claro que os pontos de droga no Rio de Janeiro estão sendo objeto de briga entre os traficantes e os policiais. É que os policiais recebiam pagamento dos traficantes para acobertar o tráfico e os traficantes deixaram de pagar. Então os policiais começaram a fiscalizar os pontos de tráfico. Foi isso que gerou esse momento específico da violência. O próprio general, responsável pela operação, afirmou que para resolver esse problema só tem um jeito que é tirar todo mundo da Polícia, pois ela está praticamente tomada por esse tipo de situação criminosa. E isso só acontece por causa dessa concepção de segurança pública que é o mesmo que aconteceu no México, na Colômbia e, inclusive, nos Estados Unidos que você não combate o tráfico desta forma. É preciso criar uma política pública específica que também resolva questões sociais, aliando um conjunto de atores capazes de resolver problemas para não se acumularem.  Isso que ocorreu no Rio de Janeiro, no meu entender, também teve um cunho político que foi o do presidente Temer querer passar à população de que a intervenção militar é uma boa ideia.

 

-Nas últimas eleições presidenciais, o Brasil vivenciou um espécie de ‘guerra civil virtual’, por meio de manifestações em redes sociais. O que o senhor espera para este ano, já que a situação atual política/econômica é delicada?

Juiz Jorge Moreno:  Na minha visão, a eleição deste ano será muito violenta. Não se limitará as manifestações em redes sociais. Acredito piamente que haverá violência física. Primeiro por que a disputa nos grupos locais está muito acirrada. Há oligarquias que foram retiradas que querem voltar e outras que permanecem.  Isso se acirrou no Brasil nos últimos anos por que não conseguiram elaborar uma reforma política. Cada eleição há um tipo de legislação eleitoral. A que vamos ter agora nada tem a ver com a eleição passada. Isso vai gerar um problema sério, pois, além da disputa política, voltaremos a ter financiamento privado. Outra situação é que os candidatos terão acesso a recursos públicos de forma absurda. Mas o mais preocupante é que, na minha previsão, chegaremos na eleição com 25 milhões de brasileiros desempregados. A concentração dessa elevada quantidade de pessoas sem emprego vai ocorrer justamente nas regiões onde, nas eleições passadas, houve   as maiores ‘guerras virtuais’, que são as regiões Sul, Sudeste e parte da Centro Oeste. O resultado será um caos.

 

voltar
Rod. BR 163, Km 76, Lª Bela Vista das Flores
São Miguel do Oeste – SC | 89900-000
Fone/Fax: (49) 3631 0200
contato@terravivasc.com.br
FALE CONOSCO
SAC 0800 644 3700
Atendimento de 2ª à 6ª feira das 8h às 17h